Pesquisadores desenvolvem Plataforma Inteligente voltada à Saúde Materno Infantil

Publicado por Daniel Silva em

Com objetivo de subsidiar o processo de tomada de decisões para a criação de políticas públicas voltadas à saúde gestacional, e colaborar com a redução da mortalidade neonatal (de crianças com até 28 dias de nascimento) no Brasil, pesquisadores do Campus Campinas do IFSP e da Unicamp desenvolveram a SaMI — Plataforma Inteligente voltada à Saúde Materno Infantil.

SaMI — Plataforma Inteligente voltada à Saúde Materno Infantil
SaMI — Plataforma Inteligente voltada à Saúde Materno Infantil.

O software usa Inteligência Artificial para colaborar com a redução da mortalidade neonatal no país e oferecer uma forma inteligente e interativa de analisar indicadores demográficos, socioeconômicos e de saúde materno-infantil. A plataforma apresenta diferentes ferramentas para ajudar gestores, pesquisadores e entusiastas a entenderem um pouco mais sobre mortalidade neonatal, seus fatores e consequências. A SaMI também possui serviços para avaliação de risco de mortalidade neonatal e previsões da taxa de mortalidade para algumas regiões de saúde no Brasil (ferramenta ainda em estágio Alpha de desenvolvimento). Isso é possível devido ao uso de um modelo de Aprendizado de Máquina (Machine Learning) que foi construído com base em um conjunto de dados contendo informações sobre nascimento / morte de 40 milhões de indivíduos ao longo de dez anos no Brasil.

A SaMI é o resultado de um trabalho de 18 meses, que contou com financiamento da Gates Foundation, CNPq e Ministério da Saúde, e apoio do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP)Agência de Inovação e Transferência de Tecnologia do IFSP – INOVA IFSPUniversidade Estadual de Campinas, e a gestão da Funarbe. O projeto foi vencedor do desafio Grand Challenges Explorations (GCE)- Brazil, da Fundação Bill & Melinda Gates.

Os professores Tiago Carvalho e Carlos Beluzo, do IFSP, juntamente com a professora Luciana Alves, do Departamento de Demografia da Unicamp, foram os proponentes do projeto submetido e selecionado pelo Grand Challenges Exploration, em 2018. Segundo o pesquisador Tiago, o edital buscava projetos voltados para a saúde materno e infantil que trabalhassem com Big Data. A essa especificidade, somou-se a vontade dos pesquisadores de entregar um produto que fosse de fato utilizável pela sociedade.

SaMI — Plataforma Inteligente voltada à Saúde Materno Infantil
Parte da equipe do projeto. Foto: reprodução/arquivo pessoal.

Tiago relatou que ter o projeto como vencedor do desafio foi um marco na sua carreira. “O GCE é extremamente respeitado ao redor do mundo, e participar dele é também uma grande responsabilidade, pois todos os projetos escolhidos são por padrão projetos de risco (ou seja, têm baixas chances de dar certo, mas quando dão, podem realmente fazer a diferença). Logo, entregar o proposto de forma correta representa um grande sucesso do ponto de vista de superar desafios”, diz ele.

Ainda de acordo com o professor Tiago, na próxima fase do projeto os pesquisadores pretendem criar um simulador de políticas públicas. No entanto, a continuação do trabalho, que estava em discussão com o Ministério da Saúde, teve de ser paralisada devido à pandemia de Covid-19. “Na última reunião de avaliação, os gestores ficaram bem empolgados e chegaram a agendar um Workshop para colher ideias de melhorias junto aos técnicos e negociar o apoio que seria necessário para continuar o desenvolvimento do projeto. Só que o workshop foi marcado justo para a semana que estourou a pandemia, e todo o foco do Ministério se voltou para isso, o que acabou inviabilizando, por hora, a continuação do projeto”, contou.

Entenda os principais recursos que a plataforma de entrega em um artigo rápido escrito pelo Tiago Carvalho. Aqui.


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *